Aumenta o som que este filme é rock and roll!

Publicado em 13 de julho de 2010 e atualizado em 2011

Feliz Dia do Rock, galera!
Repararam como ultimamente rock rolou à beça no escurinho do cinema? E não só com filmes sobre os grandes medalhões internacionais. Felizmente, os equipamentos digitais e a popularização dos DVDs e agora Blu-Rays deram uma turbinada nessa produção. Um festival de documentários musicais que começou em Barcelona, o In-Edit, já teve 3 edições no Brasil. Mas a verdade é que Elvis Presley, os Beatles e os Rolling Stones trilharam esse roteiro há décadas. Décadas de rock na tela. Nos posts anteriores, vimos uma lista dos melhores documentários de rock, feita pelo pessoal da revista Mojo. E uma ainda mais eclética daNME, que ao inaugurar sua página de cinema, elegeu 50 filmes de música – de documentários a dramas/comédias que têm a música como importante pano de fundo ou mesmo filmes de ação com sonoras trilhas originais! As listas de duas publicações deram um empurrãozinho. E aqui publico a minha relação de filmes favoritos, por tipo. Documentários, filmes-concerto, cinebiografias (docudramas) e ficções relacionadas à música (nos próximos posts, as listas dos amigos da Coluna de Música).
Documentários (bastidores, informações, entrevistas sobre um show, uma turnê, um disco, um festival, uma banda, um artista)
Um clássico? “Gimme Shelter“, que retrata a turnê americana dos Stones em 1969, até o desfecho violento em Altamont. O sonho de “Woodstock” havia acabado.
Recentes? “Os EUA x John Lennon”, exibido em cinemas. LennoNYC, sobre a cidade que John adotou.
A Todo Volume” (“It Might Get Loud”). Uma aula de guitarra. Três guitarras completamente diferentes (confira o post recente).

Lemmy, sobre o líder do Motörhead, destaque do In-Edit Brasil 2011.

Back and Forth, doc sobre o Foo Fighters.

Prefere britpop? “No Distance Left To Run” conta quase tudo sobre o Blur.
Ou punk? “End of the Century” conta a história dos Ramones! O espetacular “Punk: Attitude” leva a assinatura de Don Letts, amigo e influência do Clash.

Está em cartaz no Multishow HD um rico documentário sobre Joe Strummer, do Clash: “The Future is Unwritten” (está na lista de melhores rock rocs, da Mojo – veja post anterior). É daqueles que não faz um retrato somente positivo do personagem. O diretor Julien Temple ainda reuniu numa fogueira várias celebridades do rock e do cinema para falar de um dos cabeças do The Clash e do punk rock.
Votando com o coração metalhead, lembro de “Metal – Uma Jornada pelo Mundo“, de Sam Dunn e Scot McFadyen, que abriu a linha de produção da Banger Films: “Global Metal” (ainda não achei) e os ótimos “Flight 666”, sobre a turnê Somewhere Back in Time, do Iron Maiden, e “Beyond the Lighted Stage”, vida e obra do Rush.
Ou “Heavy Metal in Baghdad” – sobre a banda Acrassicauda. Do Iraque!
O curioso “Festival Express” relata um festival de blues e rock que rodou o Canadá pelas linhas de trem, em 1970. Imagine você num vagão-bar com Janis, Buddy Guy, Greatful Dead…(leia mais aqui).
“O Poder do Soul” (“Soul Power“acaba de sair em DVD) registra o festival Zaire 74. Atrações? Feras como BB King, James Brown…
arnaldoDocumentários nacionais
Minha escolha é o emocionante “Lóki“, sobre vida e carreira de Arnaldo Baptista, dos Mutantes.

Mas também gostaria de citar “Herbert de Perto” sobre o paralama e “Titãs – A Vida Até Parece Uma Festa“. Todos já lançados em DVD.
Filmes-concerto, os que se concentram mais no show em si, como” Stop Making Sense”, dos Talking Heads.
Fico com um dos primeiros que vi, revi e devo ter visto uma terceira vez em cinema:Let There Be Rock”, do AC/DC, ainda com o vocalista Bon Scott. No Brasil, o título (marcante) era “Deixa o Rock Rolar. Finalmente, foi lançado agora em DVD e Blu-Ray. Ficaram as primeiras impressões do rock eletrizante da turma de Angus Young. O guitarrista até fazia umas inalações de ar, nos bastidores, durante o concerto.
Mas também poderia ficar com o do Led Zeppelin, “The Song Remains the Same” (“Rock é Rock Mesmo” nos cinema brasileiros). Que ganhou extras no Blu-Ray.
Um dos muitos registros de shows dos Rolling Stones, como “Shine a Light“, dirigido por um cineasta expert em música: Martin Scorsese.

“Live at the Max” foi filmado durante a turnê Steel Wheels para cinemas do tipo I-Max (ficava sensacional!). EM VHS era uma decepção. Está em cartaz no Multishow HD e… agora sim! Muito melhor!
Ou o do U2, “Rattle and Hum” ou “U2 3D”.
Cinebiografias (docudramas, dramatizações da vida dos personagens)
Escolho “Ray“, sobre o gênio Ray Charles. Emocionante.
Lembro ainda de “Backbeat – Os Cinco Rapazes de Liverpool”, que recria o começo dos Beatles, ainda com Stuart Sutcliffe, shows em Hamburgo. A trilha é com a banda do filme! Mais recentemente, O Garoto de Liverpool. E da saga de “The Doors”, do Oliver Stone, com Val Kilmer no papel de Jim Morrison.
 “The Runaways“!
Ficções de mãos dadas com a música
Top 1 deste que vos bloga: “Quase Famosos (Almost Famous“). E não é só por causa da bela Kate Hudson. Tem a história do jovem jornalista que acompanha a banda Stillwater (fictícia, mas dizem que inspirada no Led), a hilária cena do avião particular (tá vendo?) e, depois, todo mundo cantando “Tiny Dancer” no busão, mesmo.
Mas também poderia escolher…
“Across the Universe”, um musical propriamente dito, em que o elenco canta clássicos dos Beatles. Praticamente um visual para cada música.
“Alta Fidelidade”, um Stephen Frears baseado no livro “High Fidelity”, do Nick Hornby: versão cinematográfica com John Cusack, Jack Black e ótima trilha ficou em 10º na lista da NME.
“Encruzilhada” (“Crossroads”). Um cult movie nos anos 80. Sensacional duelo enter Steve Vai e o jovem guitarrista de blues tentado pelo diabo, como Robert Johnson. Trilha de Ry Cooder.
“Depois Daquele Beijo” (“Blow-Up”), clássico de Antonioni, com os Yardbirds numa cena.
“Pink Floyd The Wall”. De Alan Parker. Rock do bom. Também devo ter visto duas ou três vezes no cinema. Filme pra ver na tela grande, por causa da animação – duca. Sem falar no sonzão do Floyd.
Os Reis do Iê-iê-iê” (A Hard´s Day Night“), que Ricard Lester fez com os Beatles, pode não ter lá muita história, mas a trilha é sensacional, não?
Singles – Vida de Solteiro” – Comédia romântica que, embora planejada antes, pegou a “ola” do grunge, do mesmo diretor de “Quase Famosos”.
“Soul Kitchen”, maneira comédia de Fatih Akim cheia de balanço.
Numa linha sessão da tarde: “Escola de Rock, com Jack Black, o divertido”The Blues Brothers” (aqui, Os Irmãos Cara de Pau”),”The Commitments” (aqui, Loucos pela Fama”) “Juno”, o simpático “(500) Dias com Ela“,”A Festa Nunca Termina” (líder da lista da NME), o nacional “As Melhores Coisas do Mundo” tomara que esta lista nunca acabe de crescer!
“Velvet Goldmine”, ficção sobre a cena glam rock, algo inspirada em Bowie, será um dos votos do Piero Sbragia, um dos convidados da Coluna de Música, como Sérgio Duarte, do Rock Flu.


11 comentários sobre “Aumenta o som que este filme é rock and roll!

    1. Completa nunca é… até porque a gente vive num país onde não chega tudo…
      Muitas vezes, chega e some, sai de cartaz, acaba logo…
      Valeu!
      Aguardo a sua!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s